top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

Entidades do agro pedem revisão do protocolo sanitário, após China retomar compra de carne

Importações estavam suspensas desde fevereiro, após a confirmação de um caso atípico de "mal da vaca louca”

Entidades do agro pedem revisão do protocolo sanitário, após China retomar compra de carne
Foto: Reprodução

A China é o principal destino da carne bovina brasileira, sendo responsável por 60% do total dos embarques para o exterior. O país asiático estava sem comprar a proteína brasileira desde 22 de fevereiro, quando um caso atípico de mal da vaca louca foi detectado em uma pequena propriedade no município de Marabá, no Pará. Com o caso de "mal da vaca louca", o Brasil determinou o autoembargo dos envios para o mercado chinês, conforme rege acordo comercial entre os dois países.


E após reunião com a delegação brasileira, em Pequim, o governo chinês decidiu levantar o embargo à carne bovina brasileira. A volta das exportações da proteína para a China foi anunciada pelo ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, diretamente do país chinês, onde se encontra com comitiva formada por mais de 100 empresários do setor agropecuário. De acordo com ele, a decisão foi confirmada por autoridades sanitárias do país asiático.


“Isso era esperado há alguns dias”, disse Fávaro. “Quero agradecer os pecuaristas brasileiros, que confiam no nosso sistema. Isso nos dá credibilidade no mercado internacional”, complementou o ministro. O titular do Mapa também agradeceu o governo da China, o presidente Lula, o corpo técnico da pasta e o governo do Pará, que, segundo ele, foi rápido e claro em comunicar o caso "de mal da vaca louca".


A retomada das exportações da carne bovina para a China já era aguardada pelo mercado. A expectativa, aliás, era de que o embargo fosse derrubado somente no dia 28 março. “A exportação para a China é muito relevante para o Brasil, é algo em torno de US$ 8 bilhões por ano”, pontuou o ministro do Mapa. A suspensão das compras de carne bovina brasileira pela China durou exatamente um mês. Período que pode ser considerado o bastante para refletir no desempenho das exportações do produto.


Francisco Olavo de Castro, presidente da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), afirma que com a retomada das exportações, a China deve voltar a comprar grandes volumes de carne bovina brasileira. Segundo ele, o Brasil é a melhor alternativa de fornecimento de carne bovina em escala global. “A China deve concentrar as compras aqui no mercado brasileiro e deve manter um bom ritmo de importação. O Brasil vai tranquilamente manter a liderança global das exportações de carne bovina. Com muita tranquilidade”.


O analista da Safras & Mercado Fernando Iglesias pontua que o mercado recebeu com bastante entusiasmo a notícia. “A notícia de que a China voltou a comprar carne bovina brasileira, realmente é uma excelente notícia. É ótimo para o mercado brasileiro. E também tivemos a notícia de que mais quatro unidades frigoríficas foram habilitadas a exportar para China. Agora o que resta em termos de negociação é que essa comitiva que está lá na Ásia aproveite essa oportunidade pra tentar renegociar esse protocolo sanitário que foi firmado com a China em 2015. E ainda tentar rever esse protocolo para que a gente não sofra danos tão graves assim em casos atípicos que pouco interferem na cadeia produtiva e que não oferecem riscos”, ressalta o analista.


Protocolo sanitário

O atual protocolo sanitário entre Brasil e China foi assinado em 2015 pela então ministra da Agricultura, Kátia Abreu. O documento prevê que em caso de surgimento de um caso confirmado, mesmo que atípico, as exportações de carne bovina devem ser automaticamente interrompidas. Segundo o ministro Fávaro, o protocolo também exige muita transparência.


A necessidade de atualização do protocolo sanitário com o país chinês tem repercutido no setor agropecuário. Francisco Olavo de Castro comenta que assim como o Mapa faz o alto embargo de forma automática ao mínimo caso de suspeita, o setor gostaria que ele tivesse a reflexão junto ao governo chinês de fazer a reabertura automática também.


“Assim que for comprovado nos laboratórios oficiais do mundo inteiro que é uma doença típica e que não envolve risco nenhum para o país chinês, para o brasileiro, para a população de modo geral, nem para os animais, que seja feita a reabertura e seja autorizado o embarque de carne para China automaticamente”, defende.


O presidente da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), complementa ainda que não é rever o acordo, mas sim fazer uma nova interpretação nesse acordo.


“Não tem risco nenhum e o risco da vaca louca atípica é zero para saúde humana. Então a gente pode sim prever essa reabertura automática. O que a gente pede é o que o pecuarista almeja. O que a gente não pode é ficar na incerteza de quando o mercado é reaberto, uma vez que ele pode ficar fechado 20 dias ou quatro meses. Essa incerteza gera muito prejuízo ao pecuarista que não consegue se programar e a atividade vai ficando cada vez mais insustentável”, finalizou.


Em seu site, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) também divulgou apoio ao pedido de revisão da proposta pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) sobre o acordo de exportação de carne bovina entre Brasil e China.


Mais quatro países reabrem mercado ao Brasil

Outros quatro países que haviam interrompido as compras da proteína já retiraram os embargos, afirma, em nota, o Ministério das Relações Exteriores (MRE), sem informar quais seriam esses mercados. Segundo a pasta, outros seis países continuam com as compras de carne bovina suspensas. São eles Bahrein, Cazaquistão, Catar, Irã, Rússia e Tailândia.

Comments


Publicidade

Publicidade

bottom of page