top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

Goiás adota novas medidas sanitárias para prevenção da gripe aviária

Portaria da Agrodefesa proíbe participação de aves em eventos agropecuários, entre outras ações. Estado também investe em conscientização dos integrantes da cadeia produtiva avícola para evitar chegada da doença

Goiás adota novas medidas sanitárias para prevenção da gripe aviária
Agrodefesa intensifica fiscalização do trânsito das aves intra e interestadual e em granjas avícolas para prevenir influenza aviária - Foto: Divulgação

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), anunciou nesta terça-feira (14/03) novas medidas sanitárias com o objetivo de impedir a chegada da gripe aviária ao Estado. As ações incluem a suspensão da participação de quaisquer espécies de aves em eventos agropecuários, bem como aglomerações, encontros, torneios e exposições de passeriformes nativos ou exóticos, e o cancelamento de todos os eventos já registrados no Sistema de Defesa Agropecuária (Sidago).


A proibição abrange também aves ornamentais, galinhas de raça pura e outras espécies, inclusive de corte e postura comercial, bem como aves silvestres em cativeiro. As novas normas estão alinhadas na portaria nº 121/2023 da Agrodefesa, publicada nesta terça-feira no Diário Oficial do Estado e que entra em vigor na próxima quinta-feira (16/3), 48 horas após a publicação. Neste período também não haverá registro de participação de aves em novos eventos no Sidago.


A portaria estabelece em seu artigo 4º a proibição do retorno ao Estado de Goiás de aves que participarem de eventos agropecuários em outras unidades da federação. O prazo mínimo para a suspensão é de 90 dias, com possibilidade de prorrogação, sem aviso prévio, considerando as condições epidemiológicas relativas ao risco da gripe aviária. Os termos da normativa foram debatidos e ajustados em recente reunião na Agrodefesa, com participação dos integrantes do Comitê Estadual de Sanidade Avícola (Coesa).


Atenção permanente

“O Governo de Goiás está fazendo sua parte. A orientação do governador Ronaldo Caiado é que todas as medidas sanitárias de prevenção sejam executadas pelo Serviço Veterinário Oficial, ao mesmo tempo em que conclama os integrantes da cadeia produtiva para redobrar os cuidados necessários à manutenção da sanidade do plantel avícola de Goiás”, enfatiza o presidente da Agrodefesa, José Essado.


Dentre as ações adotadas pela Agrodefesa já em andamento podem ser citadas intensificação da fiscalização do trânsito das aves intra e interestadual e em granjas avícolas; realização de reuniões presenciais com todas as empresas integradoras para um eventual plano de contingência; realização de levantamentos soroepidemiológicos em aves de granjas comerciais visando o monitoramento; capacitação presencial e on-line de fiscais agropecuários médicos veterinários para técnica de necropsia, alertas sanitários e plano de contingência.


As medidas corriqueiras de biosseguridade evitam a entrada de outras doenças nas granjas, sendo que especial atenção deve ser dada às telas de proteção com a medida de 1 polegada, pois são barreiras que evitam a entrada de aves de vida livre, transmissoras da influenza aviária.


Sobre a doença

Também conhecida como gripe do frango, a influenza aviária é considerada uma doença de alto risco para as aves, pois não há cura. Por ser um mal de notificação obrigatória aos órgãos oficiais de controle de saúde animal no Brasil e nos demais países, a presença da doença nos plantéis acarreta em barreira sanitária para comercialização de produtos avícolas no mercado interno e externo, com potencial para causar prejuízos econômicos à avicultura comercial e à economia.

댓글


Publicidade

Publicidade

bottom of page