top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

Na Fieg, Embaixada da África do Sul apresenta oportunidades de investimentos

País sul-africano busca parceiros estratégicos nos setores de infraestrutura, mineração, energia, inovação e alimentos e bebidas. Projeções mostram que população do continente deve dobrar até 2050

Na Fieg, Embaixada da África do Sul apresenta oportunidades de investimentos
Foto: Alex Malheiros/Fieg

De olho no desafio de fazer o desenvolvimento econômico acompanhar o crescimento demográfico do continente africano, representantes da Embaixada da África do Sul estiveram quinta-feira (1º/9) na Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) para apresentar a empresários as oportunidades de investimento em áreas estratégicas. A comitiva, liderada pela conselheira econômica Cecilia Iturralde, foi recebida pelo presidente do Conselho Temático de Comércio Exterior (CTComex), William O'Dwyer. O encontro contou ainda com participação dos presidentes do Coinfra, Célio Eustáquio de Moura, da Casmin, Wilson Borges, e do Sinduscon, Cézar Mortari, além da executiva do Siaeg, Denise Resende.


Na reunião, foram apresentadas oportunidades nas áreas de infraestrutura, mineração, energia, inovação e alimentos e bebidas. Cecilia explicou projetos planejados pela África do Sul para melhoria da rede logística de rodovias, ferrovias e portos, além da capacidade do país em gerar energia renovável, tanto pela fonte solar quanto com hidrogênio verde. A expectativa é de que sejam aportados cerca de 9,5 bilhões de dólares em iniciativas em setores estratégicos de eletricidade, gás e água.


De acordo com a conselheira econômica, o déficit habitacional e a necessidade de expertise para produção de alimentos são dois grandes gargalos do continente. "Projeções mostram que a população africana deve dobrar até 2050 e precisamos agir para evitar uma situação caótica. Temos muito o que aprender com o Brasil e estamos em busca de parceiros para impulsionar o desenvolvimento econômico, tendo a África do Sul como porta de entrada", sustentou.

Foto: Alex Malheiros/Fieg

Para tanto, Cecilia detalhou os diferenciais do país sul-africano, o único do continente que faz parte do G-20 e que possui melhor ecossistema de apoio à industrialização e vantagens como um hub de exportação. Nesse aspecto, a conselheira econômica citou acordos comerciais firmados com a União Europeia e programas de preferência da Lei de Crescimento e Oportunidade para a África (AGOA), que oferece aos países da África Subsaariana acesso isento de impostos ao mercado norte-americano para mais de 1.800 produtos, além dos mais de 5 mil produtos qualificados ao Sistema de Preferências Generalizadas.


O encontro promovido pela Fieg foi acompanhado pela empresária Nathália Barbosa, da Luna Green Bioativos; pelo presidente da Fundação de Desenvolvimento de Tecnopolis (Funtec), Pedro Luiz Oliveira; pela diretora do Sinduscon-Anápolis Cláudia Rosa; e pelos assessores técnicos da federação Alessandra Marynna (comércio exterior), Luciana Machado (mineração), Leandro Gondim (infraestrutura) e Eliene Mariano (inovação).

ความคิดเห็น


Publicidade

Publicidade

bottom of page