top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

“Nosso desafio é transformar Goiás no polo tecnológico do Brasil”, diz Caiado em Itumbiara

Acompanhado do vice-presidente Geraldo Alckmin, governador visita primeira fábrica do estado de processamento de proteína concentrada de soja e fala em incentivo à produção com valor agregado

“Nosso desafio é transformar Goiás no polo tecnológico do Brasil”, diz Caiado em Itumbiara
Governador Ronaldo Caiado conhece nova planta fabril da Caramuru Alimentos: investimento de R$ 250 milhões - Foto: Lucas Diener

O governador Ronaldo Caiado participou da inauguração da primeira fábrica de processamento de Proteína Concentrada de Soja (SPC) do estado, nesta quinta-feira (26/10), em Itumbiara, no sul goiano. A unidade integra o complexo industrial da Caramuru Alimentos e terá capacidade de produzir 90 mil toneladas de SPC por ano, além de 30 mil toneladas de melaço de soja. O evento contou com a presença do vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, que acompanhou Caiado em visita às instalações.


O governador agradeceu o empenho do vice-presidente em atenção às demandas de Goiás e destacou a prioridade da gestão estadual em atrair indústrias de ponta. “Esta proteína concentrada mostra o quanto a tecnologia está chegando. Vamos ampliar a capacidade de pesquisa e viabilizar que os talentos de Goiás sejam apoiados pelas nossas universidades e pelas áreas do governo responsáveis por esse setor. Nosso desafio é transformar o estado no polo tecnológico desse país e mostrar que o Brasil não vai precisar importar tecnologia, pois nós saberemos produzir matéria-prima e transformá-la, agregando valor e fazendo a inclusão social do nosso povo”, projetou Caiado.


O processo químico consiste na utilização do etanol para transformar o farelo de soja hipro, que tem 48% de proteína, em farelo SPC, com concentração acima de 60%. A Proteína Concentrada de Soja é destinada principalmente à alimentação de peixes, em substituição à farinha nas rações. O mesmo procedimento também produz melaço de soja com 75% de concentração de açúcares, utilizado na alimentação de animais em confinamento. Ao todo, foram investidos R$ 250 milhões na nova fábrica.

Foto: Lucas Diener

Geraldo Alckmin ressaltou o contexto econômico pujante e classificou o estado como “capital do desenvolvimento”, ao lembrar que essa é a terceira inauguração de indústria que participou em Goiás nos últimos quatro meses. “Esse é um setor que vai crescer muito. É o que eu chamo de neoindustrialização: uma indústria inovadora e verde. O Brasil é o maior exportador de soja do mundo. Quanto mais nós agregamos valor, fortalecemos a planta industrial e as exportações, gerando emprego”, avaliou.


O vice-governador Daniel Vilela lembrou a importância que os investimentos da Caramuru representam para o desenvolvimento industrial de Goiás e pontuou avanços recentes. “Goiás vive nos últimos quatro anos uma grande transformação social e econômica, a partir de um novo modelo político e administrativo. A liderança do governador estabeleceu união em prol do desenvolvimento e crescimento do estado, que está acima da média nacional”, salientou.


Incentivos

Consolidada como a sexta maior empresa do país em processamento de soja, a Caramuru Alimentos atua no ramo de agronegócio e biocombustíveis, com sede em Itumbiara. A empresa possui fábricas em São Simão e Ipameri, em Goiás, além de unidades no Paraná, Mato Grosso e São Paulo. O presidente da Caramuru, Júlio Cesar da Costa, explicou que a baixa competitividade do processamento em Itumbiara, em relação às outras unidades da empresa, chegou a ameaçar a atividade da indústria, mas que o apoio da gestão estadual garantiu a inauguração da nova fábrica.


“Buscamos alternativas por diversas mãos e com o apoio do Governo de Goiás chegamos ao investimento que hoje inauguramos, por meio do programa de crédito especial para investimento, dirigido pela Secretaria de Economia”, afirmou o gestor. “Não foi permitido que a fábrica que empregava 600 pessoas fechasse as portas, Goiás se mostrou rentável para manutenção dos 600 empregos e para a criação de muitos mais”, afirmou o prefeito de Itumbiara, Dione Araújo.

Kommentare


Publicidade

Publicidade

bottom of page