top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

Obras do Teatro de Pirenópolis serão retomadas

Segundo Governo do Estado, a reforma do local que deve custar cerca de R$ 2,5 milhões

Foto: Arquivo/Secult

As obras do Teatro Pompeu de Pina, em Pirenópolis, serão retomadas. O governador Ronaldo Caiado autorizou a reforma do local, que deve custar cerca de R$ 2,5 milhões.


“O governador determinou a retomada das obras o mais rápido possível e, além das obras, vamos ocupar o espaço permanentemente para oferecer capacitação profissional na área de artes para os pirenepolinos”, adiantou o secretário de Cultura, César Moura.


O projeto do governo estadual prevê que, além de sediar eventos, o teatro deverá receber uma Unidade do Colégio Tecnológico do Estado de Goiás (Cotec) para oferecer cursos de música e teatro.


História

Construído no final do século 19 e início do século 20, o Teatro Sebastião Pompeu de Pina localiza-se no Centro Histórico de Pirenópolis, e faz parte do acervo patrimonial tombado daquele município.

O teatro foi construído entre 1889 a 1901, por iniciativa do lavrador Sebastião Pompeu de Pina, que contou com a ajuda da comunidade. Seu estilo construtivo é híbrido, luso-brasileiro, com estrutura de madeira aparente e paredes de adobe.


Por décadas, o local foi intensamente utilizado para apresentações de óperas, danças e peças teatrais. A partir de 1945, o Teatro de Pirenópolis passou a funcionar como cinema, depois como serraria, fábrica de móveis e casa comercial. Chegando a virar bar, garagem e armarinho.


Em 1979, a Fundação Cultural do Estado de Goiás – Funpel (atual Secult Goiás), comprou o prédio e o restaurou. Tombado como patrimônio em 1988, somente em 1990 é que a unidade voltou a funcionar como teatro, sendo interditado em 1997 por perigo de desabamento, quando se iniciou um novo trabalho de reforma e restauração. A gestão do Teatro Sebastião Pompeu de Pina foi transferida para a prefeitura de Pirenópolis em 2010, para uma cessão de 10 anos. Durante esse período não houve nenhuma ação no sentido de preservação da unidade. Com isso, o teatro se deteriorou.


Em 2017, o teatro foi devolvido ao Estado pois a prefeitura alegou não ter condições financeiras para a reforma necessária. Mas, devido às péssimas condições do prédio, a unidade foi interditada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), até que as obras de restauração do espaço fossem aprovadas.


Em 2019, o governador Ronaldo Caiado determinou a realização da reforma do local, que começou em dezembro daquele ano em parceria com o Iphan. Mas as obras, que custariam R$ 4,1 milhões, foram interrompidas um ano depois pelo Iphan devido à falta de recursos.

Comments


Publicidade

Publicidade

bottom of page