top of page
  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco
  • X
  • TikTok

“Salvamos vidas e não erramos no diagnóstico”, diz Caiado ao apresentar crescimento histórico do PIB

Com avanço 6,6%, PIB goiano tem melhor resultado dos últimos 12 anos e mais que dobra média nacional; estado gerou 87 mil empregos

“Salvamos vidas e não erramos no diagnóstico”, diz Caiado ao apresentar crescimento histórico do PIB
Governador Ronaldo Caiado apresenta números positivos do PIB goiano: crescimento que gera emprego e renda para a população - Foto: Wesley Costa

O Produto Interno Bruto (PIB) de Goiás registrou, em 2022, o maior crescimento dos últimos 12 anos, com aumento de 6,6%. O número teve reflexo positivo em geração de emprego e renda, com abertura de 87 mil vagas no estado, mesmo ainda em contexto de pandemia de Covid-19. “Primeiro protegemos a vida. Ao proteger a vida do cidadão, era certeza absoluta que nós atingiríamos essa recuperação”, comemorou o governador Ronaldo Caiado, durante coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (17/04), em Goiânia.


Os dados são do Instituto Mauro Borges (IMB), órgão de pesquisas e estatísticas do Governo de Goiás. Conforme a pesquisa divulgada, o PIB estadual mais que dobrou a média nacional para o período, que ficou em 2,9%. Em Goiás, houve aumento nos três setores pesquisados, com destaque para o agronegócio (7,7%). Na sequência, estão indústria (7,5%) e serviços (6,2%). “Logo após a pandemia, Goiás entrou em uma curva ascendente”, lembrou Caiado. “Hora alguma nós erramos no diagnóstico. Temos um princípio que não abrimos mão: salvar vidas”, complementou.


Para o chefe do Executivo, a justificativa para o resultado está na execução de uma política que alia austeridade fiscal, estímulo ao setor produtivo e inclusão da população vulnerável na economia, por meio de programas de transferência de renda. O governador ressaltou que as demandas da sociedade devem ser vistas de forma conjunta. “Se não dermos educação de qualidade, não ampliarmos emprego, não ampliarmos nossa industrialização, as vagas de serviços, agricultura, pecuária e indústria, não vamos achar alternativas para superar problemas”.


Em 2022 foram criados 87 mil empregos formais no estado. O ano passado registrou também a menor taxa de desemprego em oito anos: 6,6%. Goiás possui 3,7 milhões de pessoas com trabalho remunerado e registrou aumento de 10,1% no rendimento mensal médio do trabalhador, no valor de R$ 2.769,00. As informações foram apresentadas por Caiado, juntamente com o vice-governador, Daniel Vilela, o secretário-geral do Governo, Adriano da Rocha Lima, e o secretário de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Joel de Sant'Anna Braga Filho.


Cenário

Para a administração estadual, o desafio para os próximos anos será manter a capacidade de investimento e buscar compensações para as perdas decorrentes da limitação do ICMS sobre combustíveis e energia. O impacto negativo da medida será em torno de R$ 5,5 bilhões somente em 2023. “Não tenho outra fonte de arrecadação. Temos que discutir sobre como buscaremos alternativas para repor perdas”, defendeu o governador, ao citar a criação da contribuição do agro e do Fundo Estadual de Infraestrutura (Fundeinfra).


Em contrapartida, o governo tem intensificado a política de atração de empresas e indústrias. Na última semana, uma multinacional europeia comprou a unidade da mineradora CBA, em Niquelândia, prometendo injeção de R$ 1,6 bilhão em recursos no estado. Também está confirmada a vinda da chinesa Chint Solar, uma das maiores empresas de energia do mundo, para Itumbiara, no Sudoeste goiano. O grupo conta com negócios em 140 países.

Comments


Publicidade

Publicidade

bottom of page